ESTRAGO DA NAÇÃO

6/30/2008

O que é um ambientalista?

Um elemento do Grupo EDP disse hoje, na presença do primeiro-ministro e da comunicação social (vd. aqui), que a construção da barragem do Sabor «até tem ambientalistas a trabalhar no projecto». Eu, por acaso, tinha uma certa curiosidade de saber quem são esses ditos ambientalistas. Não para os criticar, mas para ficar a conhecer que critérios se têm de cumprir para se ser considerado ambientalista....

Nota: Digo isto porque se ambientalista alguma vez fui, deixei de o ser imediatamente a seguir a abandonar cargos de direcção de associações ambientalistas. Ou seja, há 10 anos.

Etiquetas: , ,

6/29/2008

Primeiros sinais

A procissão ainda nem sequer saiu do adro, mas apeteceu-lhe olhar já para os números da Fase Alfa e Bravo não para comparar áreas ardidas - nem faz qualquer sentido antes da época verdadeiramente estival - mas sim para confrontar índices de eficácia. Este sim, é um indicador importante tanto mais que havendo poucas ignições por aqui se pode ver como se pode comportar o sistema de combate na época em que existem maiores necessidade. E mais ainda sabendo que o Governo apostou, supostamente, no sistema de primeira intervenção.

Um dos indicadores com que se pode aferir esta eficácia é aquilo que denomino «índice de eficácia da primeira intervenção», que mede a percentagem de ignições que são extintas antes de ulktrapassarem um hectare (ou seja, de se tornarem incêndios). Este índice é fundamental, porque se um foco não é logo controlado tem grande chances de atingir maiores proporções. Portanto, quanto mais elevado em percentagem for o valor, melhor é a eficácia.

Ora, usando os valores disponíveis, os primeiros sinais deste ano não me parecem muito bons. Até Maio tivemos cerca de três mil ignições (valores semelhantes aos anos de 2003, 2004 e 2006, ligeiramente mais altos que 2007 e muito mais baixos que 2005). E por ano, para períodos homólogos, temos os seguintes índices de eficácia de primeira intervenção:

2008 - 73%
2007 - 85%
2006 - 82%
2005 - 75%
2004 - 77%
2003 - 79%

Ou seja, o presente ano está a apresentar os piores valores deste ano. Claro que é prematuro tirar ilações sobre a eficácia da fase Charlie, mas parece-me que existe aqui um motivo de preocupação, porque este indicador pode ser crucial em situações de grande seca estival e com um aumento do número diário de ignições.

Não se julgue que isto são pormenores. Se um ano tiver 20 mil ignições - um valor «habitual» -, teremos então 5.400 incêndios, se o índice for de 73%, o que é imenso. Se o índice fosse de 85%, como no ano passado, então seria expectável termos 3.000 incêndios para o mesmo número de ignições. Portanto, temos uma diferença de 200 incêndios por cada ponto percentual. Dá assim para ver, com estes exemplos, a importância da primeira intervenção no saldo final de um ano de fogos florestais.

Nota: Sobre estes números, o relatório da DGRF nada diz. Continua apostada sobretudo em analisar área ardidas e condições meteorológicas...

Etiquetas: , , ,

6/26/2008

Não há almoços de borla

A compra deste quadro aqui ao lado, cujos pormenores são relatados no DN, soa-me a coisa muito esquisita. Ora, se entendo, o Estado português combina com uma pessoa não identificada a compra do quadro num leilão em França, mas com uma estranha condição: o Estado pode exercer um direito potestativo ao fim de um ano, comprando-o ao particular ao mesmo preço e, enquanto isso, o dito quadro fica exposto no Museu de Arte Antiga.


Ou seja, o Estado não tem, por agora, dinheiro - 230 mil euros, caramba! - e pede a um empresário que lhe empreste dinheiro, fica-lhe já com o quadro e «promete-lhe» que lhe paga este valor, sem juros, ao fim de um ano, e mesmo que esse proprietário se arrependa fica obrigado a vendê-lo. São condições leoninas, mas que temo tragam água no bico.

E isto porque me parece que o empresário não identificado não quis mesmo ficar com o quadro e fez apenas um favor ao Governo, como um amigo empresta dinheiro a outro amigo. Mas o primeiro amigo espera sempre que o segundo o apoie numa necessidade. E o Governo deveria evitar que se fique a pensar que pode compensar, noutras coisas, o dito empresário, sobretudo se este se mantiver no anonimato. E, além de tudo isto, fica sempre mal o Estado andar a mendigar uns trocos para a Cultura - e já nem é a primeira vez, nos últimos tempos.

Etiquetas:

6/25/2008

Neoliberalismo socialista e barragens

Vital Moreira, no Causa Nossa, no post Antologia do dislate político, passa um atestado de irresponsável e de demagogo a um comentador da SIC (que identica de direita... esta mania de se ser maníqueista) por criticar o plano das barragens hidroeléctricas.

Para isso, advoga este constitucionalista (e grande ideólogo da nova visão socialista do Governo) que, para além do seu «mérito intrínseco» e de baixarem a dependência energética do país, as barragens «são um excelente negócio para as finanças públicas, pois não só não custam um cêntimo aos contribuintes como ainda por cima rendem ao Estado muitos milhões de euros à cabeça, por cada concessão».

Passando por cima dos mérito intrínseco - Vital Moreira remete para a página do Governo -, convém dizer duas coisas:

a) a dependência energética somente marginalmente diminui com a produção hidroeléctrica, porque a electricidade apenas representa 20% da energia consumida no país e os consumos de electricidade têm estado a aumentar, pelo que não se tem verificado uma diminuição das importações de combustíveis fósseis. A dependência diminui-se consumindo menos - ou consumindo melhor, o que pode ser feito produzindo mais.

b)as barragens custam dinheiro aos contribuintes, ao contrário do que diz Vital Moreira - basta ver o que os sucessivos Governos têm gasto, e irão gastar, com os fenómenos de erosão costeira. E nem vale a pena referir outras questões ambientais, que também custam dinheiro aos contribuintes. Mas, além disso, as barragens custam aos consumidores de electricidade. Ou será que a electricidade produzida por essas barragens será de borla? Não pagarão os consumidores, através da tarifa, os investimentos as empresas promotoras das barragens?

c)sobre o rendimento do Estado das concessões, é uma visão, no mínimo, neoliberal. Ou seja, tudo é bom para o Estado se com isso ganhar dinheiro. Na mesma linha, os famigerados PIN também são bons porque são bons para o Estado.

Etiquetas: , , ,

6/24/2008

Hoje estou corrosivo

O Governo anunciou anteontem que está a elaborar uma Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas. Leia-se: vamos fazer que fazemos, aplicaremos mais uns impostos e continuaremos a construir estradas que a crise do petróleo há-de um dia acabar.

Etiquetas: , , ,

Anúncio

Se não chover até meio da próxima semana, a partir daí começam os incêndios florestais a valer...

Etiquetas: ,