ESTRAGO DA NAÇÃO

5/11/2009

Não quero ouvir mais

Oiço estarrecido o ministro da Economia, Manuel Pinho, em entrevista na TSF feita pelo director do Diário de Notícias e do director desta rádio. Passeia-se o dito governante com mentiras e propaganda atrás de propaganda - desde assumir que produzimos 43% da electricidade por renováveis no ano passado (andámos por volta dos 25%) até de sermos campeões na eficiência energética (somos os piores em relação à UE-15), passando pelo crescimento espantoso do turismo (onde?, se estagnámos em relação há uma década) -, enquanto os entrevistadores nada rebatem. Desligo o rádio. E acreditem que não é por causa do que diz o ministro, que está ali a fazer o seu trabalho...

Etiquetas: , , ,

3 Comentários:

Blogger AAA disse...

Há por aí muita contra informação e torna-se dificil perceber de que lado está a verdade.
Pergunto: esta notícia do público está errada? http://ecosfera.publico.pt/noticia.aspx?id=1373336

11/05/09, 12:07  
Blogger Pedro Almeida Vieira disse...

Pois, faz parte da campanha de desinformação. Nessa notícia está um comentário que aqui reproduzo:

«Estou pasmado!!
Por Anónimo - Lisboa
Que a Lusa nos habitue a seguir a versão oficial, eu ainda dou de barato. Mas acho estranho que o Público, que nos habituou a uma visão mais séria embarque nos números apresentados pelo Governo. Se forem à página da REN ((...)) facilmente, fazendo contas simples) verificarão que a percentagem total da electricidade produzida por renováveis (hídrica do sistema nacional e do regime especial) e da eólica apenas representou 25% da produção total para o ano de 2008. A restante parte foi importada (cerca de 18%) e produzida em centrais térmicas (quase 57%). Os valores apresentados pela DGEG advêm de uma «engenharia aldrabada», que acaba por ser transcrita acriticamente. Ou seja, como o ano hidrológico foi de 0,57, esta entidade assume, como real, a produção renovável num cenário de ano chuvoso (que não sucedeu), de modo a aumentar artificialmente os valores das renováveis. Além disto, é indiferente, para o caso desta notícia, misturar potência instalada com a produção de electricidade. Enfim, o Público faria um favor aos leitores se fizesse uma análise autónoma aos dados da produção de electricidade.».

Basta ir ao site da REN e ver que as coisas são como este comentário diz.

11/05/09, 16:22  
Blogger beijokense disse...

O pior de tudo é admitir a hipótese de que os jornalistas também estavam a fazer o seu trabalho!

11/05/09, 17:41  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial