ESTRAGO DA NAÇÃO

1/26/2009

A investigação jornalística

Releio agora um texto que escrevi aqui, em 2 de Novembro de 2005, quando se falou a primeira vez do caso Freeport, antes das eleições. Estão lá todos os indícios de que agora se fala. O «azar», na altura, foi ter saído no Independente, já em queda e pouco credível, e José Sócrates viver então, na comunicação social, de uma excelente «imprensa», que caiu na esparrela de julgar que as acusações eram apenas atoardas em época eleitoral. Ou seja, a imprensa não se quis dar ao incómodo de investigar. Aliás, a investigação jornalística - aquela que dá um trabalho do caraças e, por vezes, com resultados muitos demorados - quase desapareceu nos últimos anos da imprensa nacional. E isso é, não duvidem, uma porta bem aberta aos comportamentos desviantes de alguns dos nossos políticos.


Etiquetas: ,

2 Comentários:

Blogger Manuel Brás disse...

Os sinais são evidentes,
além de muitos e variados,
tornam os cidadãos descrentes
e miseravelmente enganados!

Do estado de ilusão,
a que nos têm habituado,
emerge a alucinação
neste país desgovernado.

Tudo é tão rápido
na lusa burocracia,
ficando o povo intrépido
com a límpida democracia!

Este país das maravilhas
de tão rosado ele ser,
contra as políticas de pacotilhas
a indignação devemos transparecer!

26/01/09, 20:05  
Blogger Karocha disse...

Tem toda a razão.

Cumprimentos

Manuela Diaz-Bérrio

26/01/09, 20:49  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial