ESTRAGO DA NAÇÃO

9/10/2005

Farpas Verdes CCXCIV

Dei-me ao trabalho de ir consultar o último relatório de acompanhamento da seca feito pelo Instituto da Água. Não aconselho a leitura: é uma autêntica «seca». Maçudo, indigesto, com excesso de informação irrelevante, com falta de informação essencial, incompreensível para 99% da população portuguesa. De quando em vez, no meio de alguma página, existem alguns dados que mostram o modo como o país «acompanha» a seca e as medidas que têm sido tomadas.

Por exemplo, em 143 concelhos de Portugal Continental foram adoptadas medidas de poupança de água. Contudo, destas todas somente 18 (8,3%) sabem que resultados se obtiveram, pois as restantes desconhecem os efeitos das medidas adoptadas. Por exemplo, no Algarve, 15 das 16 autarquias tomaram medidas, mas apenas uma apresentou uma estimativa de poupança (por sinal, uma poupança mediocre de 3%). Ou seja, as autarquias e o Estado adoptam medidas - terão gasto rios de dinheiro em campanhas de sensibilização -, mas não avaliam os resultados.

No mesmo relatório (página 28) refere-se que «a falta de equipamento de medição à saída das ETA (estações de tratamento de águas) é certamente a principal razão para este desconhecimento». Ou seja, isto demonstra, aliás, um problema mais grave: as autarquias nem sequer conseguem calcular a percentagem de perdas da sua rede, pois nem sequer sabem o volume que captam; apenas conhecem o volume que chega aos consumidores...

Eu, por exemplo, acho que campanhas de marketing - daquelas tipo postal e spots televisivos - não resultam. E que o uso eficiente da água em tempo de seca se promove sobretudo ao nível do preço. Mas como não se fazem avaliações jamais se saberá se tenho ou não razão. Assim, as campanhas só servem para descansar consciências; não para resolver problemas...

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial