ESTRAGO DA NAÇÃO

9/23/2006

Um dia de Sol

Hoje comprei pela primeira vez o Sol, o de papel. Pareceu-me como uma madrugada que se anuncia risonha: as primeiras 10 páginas até se lêem-se com interesse. Mas em seguida, começam-se a formar nuvens negras, com uma série de notícias sem qualquer rasgo. E depois ainda o dia fica ainda mais cinzento, com uma confusa repartição temática das notícias. Quando chegamos à revista Tabu, já nem nos importamos que a noite chegue depressa. Acho, sinceramente, que o Expresso - mesmo em fase de lua nova - pode dormir descansado.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial